Antes de desbravar o mundo, explore o seu quintal

escrito por Arthur Nunes 12 de fevereiro de 2019
Antes de desbravar o mundo, explore o seu quintal

Dicas e truques para quem quer explorar o seu mundo

Sair desbravando o mundo é legal. É uma experiência única de conhecer diferentes culturas, histórias, pessoas e evoluir pessoalmente.

Mas colocar a mochila nas costas e sair andando custa. Custa dinheiro, tempo e disposição. Sacrifícios, que às vezes, neste momento, você não pode fazer.

Mas há maneiras baratas e acessíveis de colocar em prática todo o seu espírito explorador que você aprendeu nos filmes de aventura ou sentado na mesa do bar assistindo o canal Off.

Há tesouros a serem descobertos nas ruelas das cidades. Há histórias perdidas nos velhos centros, escondidas nas antigas marquises. Quem nunca caminhou pela cidade, reparou numa antiga fachada e se perguntou: “como eu nunca vi isso antes?”. Pois é. A pergunta certa seria: “por que eu nunca vi isso antes?”.

Basicamente, porque você não quis, ou melhor, porque não era importante para você.

Sempre estamos definindo nossas prioridades, conscientemente ou não. Quando escolhemos viver correndo do trabalho para casa, de casa para o trabalho e nos momentos de lazer frequentamos os mesmos locais, seja o mesmo barzinho ou um cineminha aos finais de semana, automaticamente estamos dizendo para nós mesmos que isso é importante e o resto não. Nos colocamos em modo automático, sonhando com aquela viagem de férias que nunca vai acontecer. Perdemos algo essencial, QUALIDADE DE VIDA.

Se você tem consciência disto, perfeito, já é o primeiro passo. Se não tem, pare um pouquinho e pense 5 minutos se isso faz sentido ou não. Pois, mais importante do que seguir receitas prontas da internet é o autoconhecimento. Não quero que você tome o que está lendo como verdade, quero que você reflita e que este texto te ajude neste processo.

Bom, se você se identificou com a primeira opção, agora vai a pergunta de um milhão de dólares: Como quebramos este ciclo vicioso?

Infelizmente, esbarramos sempre em um único obstáculo, nossa própria natureza.

“Toda escolha está relacionada à nossa percepção de custos e benefícios”

Gary Becker, ganhador do prêmio Nobel de Economia em 2017, uniu a economia e psicologia e fez uma colocação interessante: “Toda escolha está relacionada à nossa percepção de custos e benefícios”. Por isso é muito difícil sair da zona de conforto, já que adquirir novos hábitos requer trabalho, muita força de vontade e o benefício não é facilmente assimilado.

Por isso listei 5 dicas para te tirar da zona de conforto:

Booking.com

1- Construa roteiros próprios.

Assim como você pesquisa e constrói os roteiros das suas viagens, faça a mesma coisa com a sua cidade e região. Se você mora em um grande cidade, pegue um domingo para caminhar pelo centro e liste suas descobertas. Olhe para cima, é algo que fazemos pouco ultimamente. Você vai descobrir, mesmo naquela rua que passa diariamente, novos cenários esquecidos pelo tempo.

Se você mora em uma cidade pequena, procure explorar as cidades vizinhas. Muitas vezes no interior é onde você pode ter um grande contato com a natureza.

2 — Organize seu tempo.

Saber como gerir o seu tempo é fundamental para esta iniciativa se tornar um hábito. Porém requer muita disciplina.

Separe um tempo na sua agenda e leve a sério. Assim como no dia a dia você marca suas reuniões na agenda, trate os compromissos do seu novo hábito com a mesma atenção. Pois assim você “ensina” ao seu cérebro que estas atividades são importantes.

3 — Defina planos e metas

Como no tópico anterior, é essencial definir metas e encara-las assim como você encara os seus objetivos profissionais. Pode ser coisas simples como, “visitar quatro cidades da região nos próximos três meses”, “conhecer um novo café no próximo final de semana”.

Mais uma vez você está mostrando para o seu subconsciente que isto é um investimento e te vai gerar resultados, percepção de custo e benefício.

4 — Deixe de lado a timidez

Esse talvez seja o passo mais difícil pra mim. Sou muito tímido e isso já me prejudicou e prejudica muito. É essencial lutar contra essa força maior que nos empurra para a escuridão(desculpa gente, eu realmente tenho sérias dificuldades nesta parte kkk). Pois conhecer pessoas diferentes também faz parte da jornada.

Vivemos em uma bolha. Frequentamos sempre os mesmos lugares, com as mesmas pessoas e tudo isso impulsionado pelos algoritmos das redes sociais, nos priva de experimentar novas sensações e conhecer pessoas fantásticas. Afinal, a vida é uma só e não vale a pena passarmos por ela presos pelas algemas da vergonha.

5 — Não ligue para o que os outros vão pensar

Este tópico está diretamente ligado ao anterior. Pois, para não ligar para o que os outros pensam, você deve primeiro vencer a timidez.

Sair do senso comum gera estranheza. Você pode estar se perguntando, “O que vou falar para os meus amigos quando me perguntarem o que vou fazer no final de semana? Que vou explorar a cidade?”. Parece um tópico infantil, mas muitos ainda travam neste ponto antes de adotar um novo hábito.

Pense em você, o que te faz feliz. E se surpreenda quando seus amigos disserem, “ei, posso ir com você?”